A Lua Negra tem o poder de CRIAR e DESTRUIR, CURAR, REGENERAR, DESCOBRIR e FLUIR com o ritmo das mudanças e dos ciclos naturais, mas isto irá depender da capacidade individual em reconhecer e integrar a nossa sombra.

Tudo relacionado à destruição do VELHO E CRIAÇÃO (surgimento) do NOVO; rituais de CURA, RENOVAÇÃO E REGENERAÇÃO é propício de ser feito.

Lua Negra é a denominação dada ao período em que não vemos nenhuma lua no céu, e isso ocorre por volta de três dias antes do 1º dia de Lua Nova, a Lua Negra se divide em duas metades: uma de luz e a outra de trevas.

Durante essa fase de escuridão total da lua, as bruxas reverenciam as chamadas “Deusas Escuras”, que são na maioria as deusas com aspectos da Anciã, realizando rituais de cura, de adivinhação e de transmutação. (Lembrando que o fato de serem escuras remete ao trabalho com a sombra, e não com artes maléficas). Associar a cor negra à maldade nada mais é do que um equívoco causado pela falta de conhecimento.

A Lua Negra é a LUA da TRANSFORMAÇÃO, geralmente corresponde aos três últimos dias da Lua Minguante (ou aos três dias que antecedem a Lua Nova). Sua denominação se deve ao fato de que nesse período não se pode vê-la no céu, ela não está refletindo o Sol para nós, ela está em seu estado natural, sendo a Sombra.

Podemos meditar sobre a nossa “sombra”, sobre pensamentos e atitudes que não são muito positivos e que devemos transformar.

Esta fase da lua facilita o acesso aos mundos e planos sutis e às profundezas de nossa psique, assim podemos mergulhar em nosso lado sombrio, e desvendar os mistérios e as sombras de nosso inconsciente, visando buscar os meios para nossa renovação.

Com o advento das religiões patriarcais e a invenção da ideia de “cultos demoníacos”, tudo o que era de aspecto sombrio relacionado à Bruxaria era taxado de maléfico. Obviamente, os mistérios da Lua Negra tornaram-se também sinônimo de horror e malefícios. Surgiram, assim, lendas e superstições sobre demônios e forças malignas e a Lua Negra passou a ser vista como um momento perigoso. Tanto que, até hoje, muitas bruxas acreditam que não se deve mexer com Magia nesses dias. Pura superstição.

Nas antigas religiões o lado negro da Deusa era representado pela Lua Nova, quando estava totalmente coberta pela sombra da Terra e não era vista no céu. A maioria dos bruxos não celebra a Lua Negra. Nessa fase as deusas então se mostram como a Deusa Negra, a que revela o seu lado obscuro e terrível, muitas vezes cruel, bem como o nosso. Essa fase da lua é mais difícil de ser trabalhada e não é recomendável que alguém recém-chegado à bruxaria já comece a celebrá-la.

Não leve ao pé da letra o “não ser celebrada”, porque com conhecimento você pode utilizar esse poder em seu benefício.

A Lua Negra é tão poderosa quanto o plenilúnio, porém, o seu poder é das sombras, do terror, da face destrutiva da Divindade, em geral assusta quem começa a trabalhar com ele, mas é um poder necessário de ser compreendido, pois faz parte da Deusa e, portanto, de nós.

Os esbás* da Lua Negra são voltados ao conhecimento do nosso lado obscuro e a sua cura para que transmutemos as nossas características improdutivas (nervosismo, ódio, etc) em características produtivas (paz interior, amor) e para que aprendamos a lidar com as nossas sombras.

Para os antigos, este período era um símbolo da morte, mas também da regeneração. A morte encarada, não no sentido literal, mas como o fim de tudo aquilo que já não nos serve e que já não faz mais sentido nas nossas vidas; toda a bagagem emocional que precisamos libertar para continuar a evoluir.

É um tempo de repouso e introspecção, um tempo de pausa que nos convida à serenidade e à calma. Ler, meditar, ouvir boa música, escrever, pintar, criar, o que quer que nos sirva para refletir e nutrir o espírito.

A Lua Negra tem um poder lendário para a criação, propícia para conceber, sonhar e desejar.

Esta lua pode trazer o pior de si mesmo e das pessoas que estão ao seu redor. Atente-se aos sentimentos como ciúmes, ira, inveja e todas as formas negativas de emoção, que podem aflorar neste período. Você pode se sentir confuso; sinais de esgotamento e desagaste são sentimentos comuns. É normal não saber bem o que sente e viver conflitos interiores sobre a sua identidade. Neste caso, pratique meditação, assista a um bom filme, ouça boas músicas e evite tomar decisões.

A criatividade estará em alta! Será um período que novas ideias podem surgir, rompendo seus paradigmas pessoais. Esteja aberto para novas experiências, isso pode te levar longe.

Será um momento de entrar em contato com nosso outro lado. Para as mulheres que são mais femininas encontrarão seu lado mais “masculino”: guerreiro, corajoso e ativo. Homens e mulheres que possuem o lado “feminino” em maior evidência, encontrarão facilidade no despertar como a sensibilidade e a intuição. Aproveite esta fase para explorar e conhecer o seu lado oculto e descobrir outros atributos que estão adormecidos dentro de si.

Incenso: Lavanda.

Pedra: Ametista.

 

 

*Os Esbás ou Esbaths são homenagens voltadas à Deusa em seu aspecto lunar. É celebrada na Wicca cada fase da Lua, mas muitos bruxos optam celebrar somente a Lua Cheia como símbolo da Deusa.

 

Fonte: Quintal da Bruxa, Wikipedia
Imagens: Oficina das Bruxas, Internet

Posts Similares

Deixe um comentário